Os 25 maiores sucessos dos Beatles

Pegando carona (atrasada) com o aniversário de John Lennon, gostei desta lista do site HowStuffWorks com os 25 maiores sucessos da banda The Beatles.

Confesso que conheci The Beatles “depois de grande”, então ainda nem deu tempo de virar fã-nática, mas é fato que a canção Imagine me fisgou pra sempre, e foi aí que The Beatles entrou na minha vida.

E vamos a lista.

A história dos Beatles é incrível. Eles não apenas criaram algumas das mais populares músicas na história do rock’n’roll, mas quando a revista Rolling Stone fez sua lista das 500 Maiores Músicas de Todos os Tempos, os Beatles derrotaram todos os outros artistas com a impressionante marca de 23 músicas listadas. Por uma semana em 1964, John, Paul, George e Ringo tiveram 12 músicas no Hot 100 da Billboard, incluindo as músicas número um, dois, três, quatro e cinco. Ninguém conseguiu esse feito antes ou depois disso. A lista a seguir é uma amostra do arsenal musical da banda, com 25 dos seus maiores sucessos.

Os maiores sucessos dos Beatles: 1963 -1964

1. “I Want to Hold Your Hand” (1963)

Música que deu início à “Invasão Britânica” e se tornou a primeira música dos Beatles a liderar a parada americana. Ela fez muito sucesso também em outros lugares e foi o single de melhor vendagem ao redor do mundo.

2. “She Loves You” (1963)

Quando essa música fez sua estréia na América em setembro de 1963, ela não recebeu muita atenção. Mas, em janeiro de 1964, ela foi relançada após o sucesso de “I Want to Hold Your Hand” e, dessa vez, passou 15 semanas nas paradas americanas, chegando ao número um em 21 de março.

3. “From Me to You” (1963)

Primeira música dos Beatles a chegar ao topo da parada britânica, foi escrita por John e Paul enquanto viajavam em uma turnê de ônibus. Ela não teve muito apelo nos Estados Unidos, chegando apenas ao número 41 no seu segundo lançamento em 1964. Entretanto, do outro lado do oceano, essa seria a primeira de 11 músicas número um.

4. “Twist and Shout” (1964)

Se você já dançou ao som dessa versão dos Beatles para a música dos Isley Brothers, percebeu que a voz de John está bem diferente do que se ouve em outras músicas do grupo.
Durante as gravações do álbum Please, Please Me, John começou a perder a voz. O produtor Brian Epstein adiou a gravação de “Twist and Shout” até o fim. Então, a voz de John estava por um fio e soava cansada – ele forçou bastante a voz durante quase toda a música.
O clássico foi gravado em apenas um take não apenas por ser tudo o que John aguentava, mas também porque ela saiu praticamente perfeita desde o início.

5. “Can’t Buy Me Love” (1964)

A pressão para criar outro grande sucesso após “I Want to Hold Your Hand” não afetou os Beatles. Esta música foi uma das primeiras a começar com o refrão. A fórmula funcionou como um feitiço, criando outra música a liderar as paradas nos Estados Unidos e na Inglaterra.
Na próxima página você verá mais sucessos dos Beatles, como por exemplo “A Hard Day’s Night” e “Eight Days a Week”.Os maiores sucessos dos Beatles: 1964-1965Nesta parte de nossa lista dos maiores sucessos dos Beatles, você verá “Ticket to Ride” e “Eight Days a Week”.

6. “A Hard Day’s Night” (1964)

Este estranho emprego de palavras foi criado por Ringo, que freqüentemente misturava palavras e frases americanas. Ele estava afirmando que a banda havia tido um dia difícil, mas então percebia que já era noite. “A Hard Day’s Night” se tornou outra música a liderar as paradas e serviu como título para o documentário sobre a banda que foi lançado no mesmo ano.

7. “I Feel Fine” (1964)

Esta música surgiu de um momento de descanso de John e Ringo, que estavam brincando com um riff que John havia criado enquanto trabalhava em “Eight Days a Week”. “I Feel Fine” se tornou líder das paradas em todos os maiores mercados. A música continha reverberação. Jimi Hendrix e The Who estavam usando este efeito em seus shows, mas os Beatles foram os primeiros a transportá-lo para o vinil.

8. “Eight Days a Week” (1965)

O título desta música foi novamente baseado em um “Ringoísmo”. O baterista alegava que estava trabalhando tanto que tinha que adicionar um dia à semana. Apesar de a música ter se tornado número um nos Estados Unidos, não era uma das favoritas da banda e eles raramente a tocavam ao vivo.

9. “Ticket to Ride” (1965)

O significado por trás desta música não é claro. Ela poderia ser sobre uma prostituta, sobre John tirando sua carteira de motorista, ou sobre uma garota saindo pela porta. Qualquer que seja o assunto, é uma música contagiante que chegou ao topo das paradas tanto nos Estados Unidos quanto no Reino Unido.

10. “Help!” (1965)

John admitiria mais tarde que ele compôs a letra de “Help!” após lidar com as pressões de ser componente de uma banda que era, assim como ele notoriamente disse, “maior do que Jesus”. Ele disse que desejava que a música tivesse sido gravada em um ritmo mais lento, mas os fãs acharam que estava boa, tornando-a outra música número um no topo das paradas.

11. “Yesterday” (1965)

Esta canção melancólica sobre um amor perdido aparentemente surgiu para Paul em um sonho, então ele temia que, inconscientemente, houvesse plagiado o trabalho de algum outro artista. Mas, isso não havia acontecido e, uma vez que a letra foi finalizada, ele gravou a música no estúdio sem a presença dos outros três Beatles. A música alcançou o número um nos Estados Unidos, mas os outros membros da banda foram inicialmente contrários ao seu lançamento no Reino Unido.

12. “We Can Work It Out” (1965)

Outro single de rápida vendagem para o Fab Four. Esta melancólica colaboração entre Lennon e McCartney tocou o coração dos apaixonados. Quando os Beatles se separaram, essa música virou um tema irônico e agourento para um grupo que no fim das contas não conseguia resolver seus problemas.
Na próxima página você verá mais sucessos dos Beatles, como por exemplo “Day Tripper” and “Lady Madonna”.

Os maiores sucessos dos Beatles: 1965-1968

Nesta parte da nossa lista dos 25 maiores sucessos dos Beatles, você encontrará “Paperback Writer” e “Yellow Submarine”.

13. “Day Tripper” (1965)

Apesar de os Beatles terem negado por mais de 40 anos, Paul revelou em uma entrevista em 2005 que sim, “Day Tripper” fala sobre drogas. Naquele tempo, ninguém sabia (ou não se importavam) e a música, lançada juntamente com “We Can Work It Out” alcançou rapidamente o primeiro lugar.

14. “Nowhere Man” (1966)

Esta canção bastante perturbadora, escrita por John, que fala de um homem cuja vida é solitária e sem sentido, acabou se tornando, de alguma forma, autobiográfica. John, segundo boatos, tinha que criar outra música para o álbum Rubber Soul, mas após várias horas sem escrever nada, ele desistiu. E foi, então, que a música simplesmente apareceu. “Nowhere Man” chegou apenas ao 3° lugar das paradas norte-americanas.

15. “Paperback Writer” (1966)

Esta canção número um foi criada por Paul após uma tia, supostamente, ter lhe pedido que escrevesse uma música que não fosse sobre uma garota. A canção é embalada por uma batida rápida e conta a história de um aspirante a escritor, possivelmente baseado em um livro que Ringo estava lendo na época.

16. “Yellow Submarine” (1966)

Apesar de Paul negar veementemente, “Yellow Submarine” (a música que mais tarde serviu de inspiração para o filme de animação de mesmo nome) ganhou a reputação de ser uma música sobre o uso de drogas alucinógenas. Ringo faz os vocais principais nessa música tola, mas contagiante, que alcançou o topo das paradas inglesas e o número 2 nos Estados Unidos.

17. “Eleanor Rigby” (1966)

Esta canção melancólica mais tarde provou ao mundo que os Beatles não eram apenas fogo de palha. Paul escreveu as letras para esta música sobre “todas as pessoas solitárias” e o produtor George Martin adicionou uma magnífica orquestra de cordas. Tudo se misturou para descrever a solidão da velhice. Ela chegou ao topo das paradas britânicas, mas apenas ao 11° lugar nas paradas americanas.

18. “Hello, Goodbye” (1967)

Passando várias semanas no topo das paradas americanas e inglesas, “Hello, Goodbye” foi lançada perto do Natal de 1967 e acabou fazendo parte do álbum Magical Mystery Tour.

19. “With a Little Help from My Friends” (1967)

Os gritos e aplausos que seguem esta canção de Ringo vieram de antigas gravações de shows dos Beatles, já que eles não estavam mais excursionando quando a música foi gravada. O single não chegou ao topo das paradas, mas tinha uma doce mensagem e uma melodia contagiante que a tornou um clássico entre os fãs do grupo.

20. “Lady Madonna” (1968)

Antes de os Beatles irem para a Índia em 1969 (e mudarem seus rumos musicalmente), eles gravaram uma última música para a Parlophone/Capitol antes de lançarem seu próprio selo, Apple Records. “Lady Madonna” foi essa música. Ela chegou ao topo das paradas britânicas e ao terceiro lugar das paradas nos Estados Unidos.
Na próxima página você encontrará os últimos cinco singles dos Beatles da nossa lista.

Os maiores sucessos dos Beatles: 1968-1970

Aqui está a parte final da nossa lista dos 25 maiores sucessos dos Beatles, começando com “Hey Jude”.

21. “Hey Jude” (1968)

Apesar de a letra não fazer muito sentido, apesar de a versão original da música ter mais de sete minutos de duração, e mesmo sendo tecnicamente uma música sobre divórcio, essa é uma canção amada por muitas pessoas. Escrita por Paul para o filho de John, Julian, durante o divórcio de seus pais, “Hey Jude” liderou a parada americana por nove semanas, um recorde para qualquer música dos Beatles. Do outro lado do oceano, a versão completa da música ficou no topo das paradas por duas semanas.

22. “Come Together” (1969)

Originalmente escrita para a curta campanha de Timothy Leary a governador, “Come Together” foi lançada no álbum Abbey Road em 1969. A música também foi alvo de um processo pela gravadora de Chuck Berry, que afirmava que um verso de uma das músicas de Berry havia sido roubada e utilizada nessa canção dos Beatles. O processo foi acertado fora do tribunal. A música chegou ao primeiro lugar das paradas norte-americanas e ao quarto lugar na paradas inglesas.

23. “Get Back” (1969)

Última faixa do álbum Let It Be, esta música diz ao ouvinte para “voltar ao lugar onde você já pertenceu”. Depois de Let It Be, os Beatles não lançaram mais nenhum álbum como um grupo. O single chegou ao número um ao redor do mundo e foi a primeira música dos Beatles a creditar um quinto músico, Billy Preston, nos teclados.

24. “Let It Be” (1970)

O álbum Let It Be, lançado em 1970, pouco tempo após a banda ter se separado oficialmente, foi a música de despedida do grupo. O single foi um grande sucesso ao redor do mundo, alcançando o topo das paradas americanas e o segundo lugar das paradas britânicas. Paul se inspirou a escrever a letra após sonhar com sua mãe (Mary), que morreu quando ele tinha 14 anos. A temática da música sobre entrega e rendição conquistou milhões de fãs. “Let It Be” é freqüentemente tocada em funerais, devido à sua mensagem de despedida e de esperança.

25. “The Long and Winding Road” (1970)

Esta triste canção sobre amor não correspondido, também lançada após a separação da banda, foi a última música dos Beatles a liderar as paradas americanas. Dizem que Paul a escreveu durante uma época em que a tensão era dominante entre os membros da banda.

About these ads

Sobre Sica
Sou sutil. Sou descarada. Sou o que há de melhor. Sou sutil, mas sou descarada...mas assim são as pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: